Horizontes da cultura técnica moderna no Brasil: história, fontes e questões

  • George A. F. Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil
  • Angela Lucia Ferreira Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil
Palabras clave: secas, historiografia, campo profissional, território

Resumen

A compreensão da problemática das “secas” como parte do processo de articulação eficiente do território da nação, que vinha se processando desde meados do século XIX, fundamentou-se em amplo escopo documental, levou à delimitação conceitual de uma determinada dimensão: a técnica. Este material –de relatórios técnicos do governo central aos esboços de cadernos de viagem; da confecção de material cartográfico e planilhas orçamentárias das obras aos documentos de contratação de profissionais e serviços; da criação de um corpus jurídico sobre a gestão das águas e das florestas aos embates nos periódicos especializados de vários campos profissionais– levou o tema a ser considerado como um problema-chave para se pensar (e planejar e agir sobre) o território do Brasil. Este artigo propõe então refletir as possibilidades teóricas e conceituais, assim como as questões metodológicas, no trato desse conjunto de registros materiais e físicos que pode e tem sido mobilizado também para discutir a emergência e formação das modernas disciplinas voltadas para o conhecimento, gestão e transformação do território e das cidades. Isto é, assinala a necessidade de debater a noção e a possibilidade de se falar em cultura técnica moderna no Brasil.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor

George A. F. Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil

Arquiteto e Urbanista. Doutor em Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo. Professor do Curso de Arquitetura e Urbanismo (CAU/UFRN) e do Curso de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU/UFRN). Departamento de Arquitetura (DARQ/UFRN), Grupo de Pesquisa “História da Cidade, do Território e do Urbanismo (HCUrb/UFRN).

Angela Lucia Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil

Arquiteta. Doutora em Geografia Professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo (CAU/UFRN) e dos Cursos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU/UFRN) e em Estudos Urbanos e Regionais. (PPGEUR/UFRN) Departamento de Arquitetura (DARQ/UFRN), Grupo de Pesquisa “História da Cidade, do Território e do Urbanismo (HCUrb/UFRN).

Citas

Atencia Paéz, J. M. (2003). Ortega y Gasset, meditador de la técnica. Argumentos de razón técnica, 6, 61-95. Recuperado de

Campos, C. (1916, dezembro). Devastação das Florestas. Revista Brazil Ferro-Carril, 130, s/p.

Chartier, R. (1998). Construção do Estado moderno e formas culturais. Perspectivas e questões. In R. Chartier, A história cultural: entre práticas e representações (pp. 215-229). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Diéguez Lucena, A.; Zamora Bonilla, J. (2015). Ortega, filósofo de la técnica [introducción], In Meditación de la técnica [Kindle version], Madrid, Biblioteca Nueva. Recuperado de http://www.amazon.com.

Ferreira, A.; Dantas, G. e Farias, H. (2008). Pensar e agir sobre o território das secas: planejamento e cultura técnica no Brasil (1879-1920). Revista Vivência, 34, 41-62.

Ferreira, A.; Ferreira Dantas, G., e Simonini, Y. (2012). Um olhar sobre o nordeste: a contribuição técnico-científica da Revista da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro - Brasil (1885-1932). Revista Geográfica de América Central, 2 (47E), 01-17. Recuperado de http://www.revistas.una.ac.cr/index.php/geografica/article/view/2227/2123

Freitas, M. L. de. (2013). Oh Brutus! As bases de constituição da cultura técnica da tecnologia construtiva do concreto armado no Brasil. Anais do X Seminário DOCOMOMO Brasil, Curitiba, PUC-PR, 17 pp. Recuperado de http://www.docomomo.org.br/seminario%2010%20pdfs/CON_11.pdf

Greenfield, G. (1992). The great drought and elite discourse in Imperial Brazil. The Hispanic American Historical Review, 72 (3), 375-400.

Julianelli, A. (2011). Henrique de Novaes: técnica, território e cidade em uma trajetória profissional: Brasil, primeira metade do século XX, Dissertação, 2011 (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – UFRN, PPGAU, Natal.

Julianelli A. e Simonini, Y. (2009). Engenharia, técnica e ordem nacional: o pensamento positivista na formação politécnica brasileira. Anais eletrônicos do Simpósio Nacional de Tecnologia e Sociedade, 3, 2009, Curitiba, PPGTE, UFTPR.

Medeiros, G. (2011). Caminhos que estruturam cidades: Redes técnicas de transporte sobre trilhos e a conformação intra-urbana de Natal (1881-1937), Dissertação, 2011 (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – UFRN, PPGAU, Natal.

Nobre, P. (2012). Combater as secas e defender as florestas: a natureza nos desafios da ciência e da técnica para modernizar o Brasil (1889 a 1934), Tese (doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Natal, PPGAU, UFRN.

Novaes, H. (1987). Reminiscências do Rio Grande do Norte, Mossoró, s.n. (Coleção Mossoroense, v. 358).
Ortega y Gasset, J. (2015). Meditación de la técnica [Kindle version]. Madrid, Biblioteca Nueva. Recuperado de http://www.amazon.com.

Perriaul, J. (1998/2). Culture Technique. Éléments pour un l´histoire d´une decennia singulière 1975-1985, Les Cahiers de médiologie, 6, 197-214. Recuperado de http://www.cairn.info/revue-les-cahiers-de-mediologie-1998-2-page-197.htm

Picon, A. (2001/5). Imaginaires de l’efficacite, pensee technique et rationalisation. Réseaux, 190, 18-50. Recuperado dehttp://www.cairn.info/revue-reseaux1-2001-5-page-18.htm

Silva, A. (2012). Engenharia nos sertões nordestinos: o Gargalheiras, a Barragem Marechal Dutra e a comunidade de Acari, 1909-1958, Dissertação, 2012 (Mestrado em História) – UFRN, PPGH, Natal.

Silva, A. W.; Simonini, Y. e Ferreira, A. (2012). Engenheiros criadores de chuva: a “Escola Plurífera” e o “Gargalheiras”. In: Anais eletrônicos do III Encontro Nacional de História do Pensamento Geográfico e I Encontro Nacional de Geografia Histórica, Rio de Janeiro, PPGG/PosGeo, pp. 1-19.

Simonini, Y. (2010). Ribeira, técnica versus natureza: Transformações em prol de um projeto de modernização (1860-1932), Dissertação, 2010 (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Natal, PPGAU, UFRN.
Publicado
2017-06-30
Cómo citar
Dantas, G. A., & Ferreira, A. (2017). Horizontes da cultura técnica moderna no Brasil: história, fontes e questões. Registros. Revista De Investigación Histórica, 13(1), 5-18. Recuperado a partir de https://revistasfaud.mdp.edu.ar/registros/article/view/114